quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Da via eu sou apenas a vida!

Da estrada eu apenas sou o pó.
Gostaria de saber onde vai dar essa imensidão de caminho, mas o vento vem e me leva para o outro lado.

Do corpo eu sou apenas veia. Gostaria de saber para onde esse sangue todo vai e quem é que o impulsiona a ficar se movimentando tanto dentro de mim.

Da vela eu sou apenas a cera. Gostaria de saber o que motiva esse pavio a se consumir tanto para levar luz e depois ele ser vencido pela escuridão.

Da vida eu sou apenas a morte. Gostaria de saber de onde vem essa força que motiva essa mãe vendo seu filho lutando contra um câncer, e mesmo assim sorrir para ele.

Da alegria eu sou apenas a tristeza. Gostaria de saber o que alegra tanto esse povo vendo seus filhos sendo aliciados pelas drogas.

Da rota eu sou apenas o caminho. Gostaria de saber para onde o outro caminho vai, seguindo a ordem da placa que lá atrás que nos avisava do desvio.

Do caminho eu sou apenas a seta. Gostaria tanto de saber por onde o caminho vai, por onde essa estrada nos leva.

Da estrada eu sou o pó. O pó que forma e percorre a imensidão do caminho.

Do corpo eu sou apenas a veia e levo dentro de mim a essência biologia efetuando dentro do ser a humana a criação a cada segundo.

Da vela eu sou apenas a cera. Me consumo por inteiro, mesmo que seja para iluminar por alguns segundos.

Da vida eu sou a morte. A morte da fraqueza de uma mãe lutando contra a enfermidade de um filho. Quem disse que a morte não tem um lado bom?

Da alegria eu sou a tristeza. A tristeza em ver tantos entregando seus sonhos, renunciando a vida que carrega em si.

Do caminho eu sou a seta. A seta que conduz tantos para outros caminhos, outros jardins.

Da vida, eu sou apenas a vida!

E de mim..... bem de mim eu sou apenas aquilo que fica em você!

3 comentários:

Alice disse...

sabe, e da palavra, o que eu li agora é puro sentimento.


=*

Andrea de Godoy Neto disse...

Convite aceito, para este que é um sabor dário para mim....sentar e olhar...contemplar...e mais do que enxergar, sentir.
Sou pessoas de sensações, todo o meu saber (que não é nada) chega pelo meu sentir.
Sentemos, então! Vamos olhar e enterder...assim, sem explicação...

Um abraço

cristal de uma mulher disse...

Querido vejo que tens objetivos e criatividade e olha eu creio que a morte é o inicio de outra vida mais para isto temos que ter obras aqui ou vice versa..Meu amado adorei tudo aqui e voltarei com muita alegria..beijo